UMA ANÁLISE ACERCA DAS CONCEPÇÕES DE APOLÍNEO E DIONISÍACO NA FILOSOFIA NIETZSCHIANA

Autores

  • Douglas Orben Faculdade Palotina (FAPAS)
  • Nátali Nicole Ramos do Canto

Palavras-chave:

Nietzsche. Apolíneo. Dionisíaco. Arte.

Resumo

O presente artigo pretende analisar o universo apolíneo e dionisíaco na primeira fase do pensamento nietzschiano, especialmente na obra O Nascimento da tragédia (1872). Inicialmente, aborda-se a forte influência de Schopenhauer nesse momento da filosofia de Nietzsche, principalmente a partir dos conceitos de vontade e representação. Em seguida, o texto apresenta a origem mitológica dos deuses gregos Apolo e Dionísio, de modo a ressaltar a importância que Nietzsche atribui à arte trágica, ao manifestar a união dos impulsos (antagônicos) apolíneos e dionisíacos. Por fim, busca-se expor as vigorosas críticas nietzschianas às abstrações metafísicas da filosofia tradicional, a qual, desde Sócrates, produziu uma tendência constante de afirmação do apolíneo e negação do dionisíaco. Dessa maneira, torna-se fundamental resgatar a dimensão dionisíaca, de modo a revalorizar e afirmar o mundo, a cultura e a vida.

Referências

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. Tradução Alberto Campos. Lisboa: Edições 70, 2007.

DIAS, Rosa Maria. A influência de Schopenhauer na filosofia da arte de Nietzsche em O nascimento da tragédia. Cadernos Nietzsche v.3, p. 07-21, 1997.

GIACOIA JUNIOR, O. Nietzsche. São Paulo: PUBLICAFOLHA, 2000.

GONTIJO, Fernanda Belo. O apolíneo e o dionisíaco como manifestações da arte e da vida. Existência e arte: Revista Eletrônica do grupo PET- Ciência Humanas, Estéticas e Artes da Universidade Federal de São João Del- Rei, ano ll, jan/ dez, dez. 2006.

BORGES, André de Barros. O ensinamento nietzschiano através do gênio para a formação de um novo tipo humano. 2004. Tese (Doutorado em filosofia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - Puc-Rio, Rio de Janeiro, 2004.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: a transvaloração dos valores. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. São Paulo: Editora brasiliense, 1990.

NIETZSCHE, Friedrich W. A Gaia Ciência. 3.ed. Tradução Edson Bini, Márcio Pugliesi e Noberto de Paula Lima. São Paulo: Hemus, 1981.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Carlos Duarte e Anna Duarte. São Paulo: Martin Claret, 2014.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Tradução, notas e prefácio: J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PAES, Carolina Casarin. O apolíneo e o dionisíaco no pensamento de Nietzsche. Anais do 2º Encontro de Diálogos Literários. Curitiba: Universidade Estadual do Paraná, p. 145-152, 2013. Disponível em: https://dialogosliterarios.files.wordpress.com/2013/12/40.pdf. Acesso em: 20/ 10/ 2020.

SALES, J. A dissolução da subjetividade na via estética de Nietzsche. Griot: Revista de Filosofia, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 88–98, 2014. DOI: 10.31977/grirfi.v9i1.597. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/597. Acesso em: 16 nov. 2021.

SANTOS, Viviane. O universo apolíneo e dionisíaco da tragédia grega no pensamento de Nietzsche “Existência e Arte”. Revista Eletrônica do Grupo PET – Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei, ano IV, n. IV, jan./dez. 2008.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. Mitos Gregos. São Paulo: Objetivo. 1998.

WEBER, José Fernandes. A teoria Nietzschiana da Tragédia. Trans/Form/Ação, São Paulo, v. 30(1). p. 205-223, 2007.

Downloads

Publicado

2021-12-14

Como Citar

ORBEN, D.; RAMOS DO CANTO, N. N. . UMA ANÁLISE ACERCA DAS CONCEPÇÕES DE APOLÍNEO E DIONISÍACO NA FILOSOFIA NIETZSCHIANA. Frontistés - Revista Eletrônica de Filosofia e Teologia, [S. l.], v. 14, n. 26, 2021. Disponível em: http://revistas.fapas.edu.br/index.php/frontistes/article/view/57. Acesso em: 18 jan. 2022.