A DIALÉTICA DO SENHOR E DO ESCRAVO DE HEGEL E A PESQUISA EM EDUCAÇÃO

Autores

  • Paulo Sérgio Machado UFSM
  • Arnildo Pommer

Palavras-chave:

Dialética. Pesquisa científica. Educação. Filosofia

Resumo

Este artigo é apenas uma introdução preliminar ao estudo sobre a importância do método dialético, na formação e qualificação de pesquisadores em educação e tem como objetivo esclarecer que fazer ciência exige do pesquisador conhecimento sobre conceitos, métodos e metodologias que dão a sustentação para a práxis e vice-versa. Para tanto, neste artigo, faremos rápida alusão a alguns filósofos modernos como Descartes, Locke, Hume e Kant, detendo-nos em Hegel. A dialética remonta aos primórdios da Filosofia na Grécia Antiga, tendo iniciado com Heráclito e se desenvolvido com Platão e alcançado a sua maturidade com Hegel e Marx no século XIX. Como delimitação do tema utilizaremos metáfora da Dialética do Senhor e do Escravo de Hegel, com a qual ele ilustra que a história e tudo o que existe no mundo se constroi pela constante mediação e negação de si mesmo, no movimento permanente em direção ao Espírito Absoluto. Este estudo se justifica pela necessidade de que pesquisadores de programas de pós-graduação, principalmente em educação, possam ter contato com alguns conceitos básicos e de pensadores clássicos da filosofia para desenvolverem seus estudos na área das ciências humanas e, fundamentalmente, em Educação.

Referências

AMARAL FILHO, Fausto dos Santos. Os filósofos e a educação. Chapecó: Argos, 2014.

CARNEIRO, Ana Maria Cabral Gomes. Hegel e a Fenomenologia - Reflexões preliminares sobre mundo e sujeito. Revista Eletrônica Estudos Hegelianos. Ano 3º - Nº 5. Dezembro de 2006. ISSN – 1980-8372.

GRISSAULT, Katy. 50 autores de filosofia... e seus textos incontornáveis/ Katy Grissault; tradução de João Batista Kreuch. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich, 1770-1832. Fenomenologia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses; com colaboração de Karl-Heinz Efken e José Nogueira Machado. - 5 ed. - Petrópolis, RJ: Vozes: Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2002.

KUHN, T.S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Ed. Perspectiva. (1994).

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Tradução de Rubens Enderlee. Leonardo de Deus; [supervisão e notas Marcelo Backes]. - [2.ed revista]. - São Paulo: Boitempo, 2010.

MENESES, Paulo. Para ler a Fenomenologia do Espírito. São Paulo: Edições Loyola, 1985.

PINTO, Álvaro Vieira. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

SILVA, Jonas Matheus Sousa. Thomas S. Kuhn e o devir da história científica. 2011. Disponível em: www.webartigos.com/artigos/thomas-s-kuhn-e-o-devir-da-historia.../78436. Acesso em: 13 fev. 2017.

TELES, Antônio Xavier. Introdução ao Estudo de Filosofia. São Paulo. Editora Ática, 1986.

TREIN, Franklin. Curso de filosofia: para professores e alunos dos cursos de segundo grau e de graduação / Antônio Rezende (organizador). – 11 ed. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

Downloads

Publicado

2021-10-08

Como Citar

MACHADO, P. S. .; POMMER, A. . A DIALÉTICA DO SENHOR E DO ESCRAVO DE HEGEL E A PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Frontistés - Revista Eletrônica de Filosofia e Teologia, [S. l.], v. 13, n. 23, 2021. Disponível em: http://revistas.fapas.edu.br/index.php/frontistes/article/view/7. Acesso em: 27 out. 2021.